domingo, 11 de setembro de 2011

Intervalos 2




domingo ensolarado
duas garças abrem as asas
ao silêncio da tarde


***


calor suave
a tarde é criança
soltando pipa no telhado


***


desce a tarde
desce a chuva
lá nos porões da terra

***


cajueiro seco
no terreno da casa velha
a raiz da infância


***


branda tarde
de sonhar vento
em rajada...


***


vejo a lua passar
arco de luz
no bojo do verso

***

ciranda de vento
(fustiga minha face)
brincadeira de roda  
com folhas secas no chão

***

lagartixa
no vão do telhado
estica o silêncio

***


voam na neblina
duas garças na lagoa
sonhos acordados

***

neblina da manhã
o silêncio acaricia
a casa velha

***

a noite se abre
para o homem na calçada
estrelas dançam no seu olhar

***

na sombra
vi descansar o sol
dormindo dentro da uva

***

escaravelho
na estação do tempo
parado

***

sábado d'oxum
tem festa eu faço 
na beira do riacho


***

no arco do olhar
orvalho pende
a última palavra

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Investigo as vértebras da noite. Entre as fendas do tempo como escorpião espreito de soslaio a vida transitando pela casa. Pelas ruas. Corp...