segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Intervalos 5

ser pântano dentro da concha...


o sonho viaja 
no lodo do tempo...


sento-me à beira do rio
ele segue desde a infância para o mesmo
sem fim...


***


essas chuvas não cessam
e me levam
enxurrada  no rio...


***


entre eu e a amendoeira
um deserto 
e o pé seco de romã


***


os olhos da noite
percorrem os vãos do corpo
espalhados pelo quarto


***


chove na lagoa
as águas abrem-se
em flor


***


o quarto vazio
só a última réstia
de silêncio


***


no meio da tarde
a mulher saiu pássaro
de dentro da tempestade


***


o velho cajueiro
(no olhar de) Agora
cheio de aurora


***


entardece
céu acena
para o morro do adeus


***


na ladeira do tempo 
a chuva 
me caramuja


***


que ideogramas
pichei no muro
do tempo?


***


a manhã 
crescia no silêncio
das garças


***


até a pedra
cansou de ser solidão
na mesinha de centro


***


a fome
põe gosto de pedra
na boca da gente


***


sempre um lagarto
atravessa meu passo
camaleão


***


solidão -
um embaçado
na paisagem


***


de grão em grão
a galinha 
vai pro papo


***


dias de chuva
vultos no céu
desabam em meus ombros


***


crianças 
chovem no parque
frutos da nova estação


***


o lodo me lesma
na escada 
da casa velha


***


velho 
no banco do parque
descansa sua solidão


***


passarinho
toma banho
na boca d'água


***


caramujo
sobe a escada 
pelo musgo


***


o silêncio dos passos
mas debaixo das ruínas
gritos


***


chuvas de janeiro
alagam de silêncio
as palavras


***


vidigal
me vigia
com seus olhos de maresia


***


à noite
o belo quintal
era uma ruidosa ruína


***


em janeiro
junto com as chuvas
voam as pipas


***


mãos tombadas 
no peito
calam-se as falas


***


tenho frutos na boca
a língua
é o bicho da goiaba


***


sou feito lesma
chego sempre 
à tarde (demais)


***


debaixo da amendoeira
a menina e o tempo
de mãos dadas


***


entre a menina
e a amendoeira
um íngreme matagal

Investigo as vértebras da noite. Entre as fendas do tempo como escorpião espreito de soslaio a vida transitando pela casa. Pelas ruas. Corp...