quinta-feira, 22 de outubro de 2015

Lâminas

        é bem assim:


menino vestido de sol

faz verão

pras andorinhas


***

olhar ave lã

de um menino

me poesia


***

a mão do menino

vibra os girassóis

da tarde


***

entram meninos

no terreno vadio:

pegam pipas no fio de alta tensão


***

a voz do menino

azula

céu nublado


***

menino

sobe morro (do adeus)

pela última vez


***

certas palavras

nascem do silêncio

outras, do alvoroço

(de um nódulo lágrima fístola ou caroço)


***

manhã de domingo

sino da igreja

faz tinir a nudez do tempo


***

do alto da ladeira

o cristo santo

não ajuda a descer


***

inverno

cortina de chuva

inaugura o ocaso


***

chuva de julho

jóias prateadas

no ocaso dos homens 
(e seus casacos)


***

igreja

na crista do morro

cacareja


***

formigas

cavam o túmulo

sem tumulto


***

outono

folhas secas

verdes no papel


***

costela de adão

trepada no muro

não era eva daninha


***

sem pressa

o silêncio e eu

à sombra da amendoeira


***

julho se foi

levou velhas folhas

do cajueiro
(a amendoeira ficou intacta)


***

agosto

novas esperanças

verdinhas na goiabeira


***

tardes de agosto

azul aberto

de céu


***

tapete de folhas secas

cobre a escada

da casa velha


***

ocaso na amendoeira

essas folhas vermelhas

caem ao acaso


***

ventos de agosto

correm com crianças

na praça do rio velho


***

manhã de agosto

toma banho de sol

com o gato na calçada


***

algumas palavras

acham por bem nascerem

da boca dos peixes


***

verão

primavera

jardins


***

folhas secas no chão

véu do tempo

cobrindo a face da terra


***

lagarto na sombra

desvenda pedra

com a língua


***

hoje de manhã

sabiá me deu

um voo de garças


***

som de flauta doce

desmanchou a tarde

na rua da ladeira


***

lírios

alucinam borboletas

no campo


***

as mãos de um homem

concebem ventos

no telhado de zinco do velho galpão


***


talhei a poesia

ossuda dentro

da pedra

Alessandra Espínola

Investigo as vértebras da noite. Entre as fendas do tempo como escorpião espreito de soslaio a vida transitando pela casa. Pelas ruas. Corp...