sexta-feira, 14 de julho de 2017

vozes de lá

Sabe quando você está em alto mar e a saudade arde os olhos de sal... e o mar balança a gente como se estivesse ninando. Eu me desequilibrava e o braço teu segurava a ponte dum coração aquecido das cantigas nos negreiros navios..e o mar exala aquele cheiro e a névoa que nos envolve numa brancura de quem lava roupa no rio...e cobre o corpo frágil feito um casulo e a gente se olha fundo como se fosse fosforescência de plâncton ,cintilação silenciosa. Atravessando continentes... vozes de lá. Minha vontade é de, quando outrora, correr criança, pros braços desse velho... mar!

Alessandra Espinola

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Investigo as vértebras da noite. Entre as fendas do tempo como escorpião espreito de soslaio a vida transitando pela casa. Pelas ruas. Corp...