quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Intervalos 3

meus silêncios são gestações sem fim
e na hora do parto
só faz partir

***

na varanda:
setembro e sua memória
se desfolhando no vento.

***

pelo vasculhante da casa velha
as folhascaindo a seco
dentro da tarde

***

no chão do quarto
o nácar da lua
e mais eu

***

a vida é trama de teia
poço fibroso de musgo
e névoa veia

***

estou para grandes delicadezas
e longas suavidades
amanheço é de mansinho...

***

sou esfinge de malandragens com a morte
passo minha pata nas paredes do tempo
arranho calendários

***

esse absurdo na garganta
é o seco tempo 
que te absorve

***

meu poema de mim: 
é claro que 
não sou evidente!

***
rasgo remoendo rói me dói
macera megera indomada
tudo é febre amor  medo nada?

**
ser- travessia
no trajeto de nuvens e enigmas
a velocidade atroz para o nada

**
na casa velha dos trinta, rua é numero zero.
trinta e tento de novo.
tantas vezes for tanto ainda enquanto


***

fico zonza 
no abrupto
girar da ampulheta

***

anoiteço com força
não sei
o que é isso...

***

céu azul de branco ao fundo
sozinha no silêncio profundo
a pétala lúcida voa

**
sol da manhã
estufa flores
no vasculhante

**

desabro-me rio dourado
ao abrir os olhos
ao pôr-do-sol

**

brisa da manhã
afaga-me a face
tua mão tecelã

**

ventos
são canções
alaridos de (nossos) cães

***

raposa rápido posa
no olhar do menino,
e logo corre para a mata funda

***

o cão esmorece
esparramado
na minha calçada

***

a tarde é langorosa
no silêncio da escrita
a gata se espreguiça

***

nas margens da lagoa
araçás, imbiribas
e bocas de cambucás

***

coqueiros na praia
de tarde sombreiam
o pedaço de mim

***

amanhece
a gata se aninha 
em meu peito

***

é fim de tarde
o sol convida
garças no jardim

***

dentro das flores
chuvas são amores
em gotas

***

não deixo nada
para desfazer hoje
faço a manhã

***

na rua da ladeira
com o calor da tarde
nem um cão late

***

a lua
no céu marinho
marinalva

***

dentro do cortiço
toda ciudad grande
é pouca

***

o pôr do sol
põe a barba
de molho

***

sol atrás das nuvens
derretendo
sombras

***

esses pássaros-ventos
levando outrubro
nas asas

***

cardume de águas 
nadando peixes
entre as pernas

***

árvores fazem ninhos
aos pássaros, do galho
caio passas

***

uma sombra 
de amora
me aroma

***

tocava flauta doce
para uma tarde nova
na casa velha

***

o cortiço
no meio da noite
se enxame de gatos

***

um homem sozinho
à noite não dorme
mas tem auroras

***

esse velho vento
não deixa o homem dormir
range a solidão na rede

***

no corredor de manhã
o cortiço
se entope de crianças

***

noite chuvosa
o sapo pula da poça
pro pé da moça 

***

as manhãs 
se fingem de garças 
esperançam homens na praça

***

gosto do cortiço das palavras
nelas me descortino
e me sujo de tudo

***

não sabia que escrever
quase morria 
de orvalho e relva

***

foices de água
é um susto
essas chuvas de verão

***

fico lesmando 
palavras nos dedos
lambendo lábios

***

no corredor do cortiço
mormaço da tarde
é abandono

***

tu me gérberas
de manhã
eu primavereço

***

amanhece
sobre o rio
gaivotas palavras

***

sozinho na praça
o homem 
se descansa do mundo

***

café da manhã
na rua
ave lâ

***

o pino do sol
afrouxa a tarde
no quintal

***

a menina 
se distraía
entre lendas e lendeas

***

nunca sabia o que era
etecetaras
entre tantas coisas

***

a morenice do menino
trazia sol
bem no meio das chuvas

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Investigo as vértebras da noite. Entre as fendas do tempo como escorpião espreito de soslaio a vida transitando pela casa. Pelas ruas. Corp...