segunda-feira, 30 de maio de 2011

Pensações Bestas

[o silêncio me procura]

1.
No domingo
a chuva bebeu a terra
era verde pra tudo que é gado.


2.
A água da chuva escorre
pra dentro da areia
oásis no deserto.


3.
De manhã,
o cheiro de sol
tirava traças da gente.


4.
Na rua de lama
eu afundava cinza
crescia um lótus do meu tamanho.


5.
Nunca fiz um caderno de poesias
eram só rabiscos de gastar canetas.


6.
Segredo: quando amanhecia

passava um rio de levar os sonhos para quenturas,
então tudo se vinha mais suave sem explodir nas margens da gente.

7.
Os homens que tem aquele pente-escovinha de colocar no dedo, sabe?
Eles tem a poesia no bolso.
O pai tinha.


8.
Tia Nicinha me colhia estrumes secos nas tardes de sol fresco,
eu guardava aquele cheiro das caminhadas em Campo Grande,
depois na sola dos pés me cresciam abóboras e melancias.


9.
Domingo é dia de garças -
quando cai o manto da tarde elas vão
esperançando a próxima semana.


10.
Fecha as pernas
e vai pentear esse cabelo, menina!
Dizia-me a mãe.
[mas o tempo não cria jeito]


11.
O amor com seus tapinhas
tem vez, me acerta os rins...
é amor de mau jeito.


12.
Silêncio é canção no verde das folhas
e me amacia com a terra depois das chuvas.


13.
Existem vários gestos de silêncio
Agora.
Escrevo.


14.
Gosto de escrever com canetas
que a tinta é sugada pelo papel.
Um ponto vira mundo.
E se chorar desmancha.


15.
Silêncio visitava a casa
som da chuva
no telhado.


16.
Silêncio:
manguezal
amanhecido de garças.


17.
no escuro da rua
o escorpião
me corpeia


18.
na solidão
da lagoa silencia o sol
à tarde


19.
as chuvas de maio
me movem
para dentro


20.
realizo-me à casa   
tudo lá fora
fantasia


21.
na praia à tarde
o pensamento
me onda


22.
tanta chuva
encheu de ilha
minha solidão


23.
ilhada a garça
solidão
enchia o mangue


24.
bola no manguezal
esperança de menino
ia longe


25.
garças
pousam no silêncio
de depois da chuva


26.
de ilhas e chuvas:
[minha] cidade
debaixo d'água


27.
em banho-maria
o tempo
as coisas no tempo


28.
sobre a mesa
os papéis
soltos


29.
esses crisântemos
no caminho
lembro-me de ti


30.
estrela que cai
mais uma
no varal do céu


31.
depois da chuva
a lua na poça
repousa


32.
coqueiros na praia
ondulados
de saudades


33.
a venda do seo manel
cheirava a doce de leite
e papel de pão


34.
os meninos
na porta da escola
seguravam o cair da tarde


35.
fora de estação
o outono dentro
da fruta


36.
à noite
a lagoa plaina
na asa de uma gaivota


37.
quem viaja?
eu ou o tempo em mim
melhor escafandrar como!


38.
manhãs de saigon
a gata me pula do peito
com garras e olhos de brasa
vida é fogo e faca!


39.
varanda
folhada de dúvidas
escondem os frutos?


40.
na varanda
o silêncio se espreguiça de sombra
ou se dependura no varaluz


41.
é só jogar
sal no sapo:
ele sai do canto


42.
lagarto
se finge
na beira da tarde


43.
lagarto
empredra silêncio
na lápide


44.
arco-íris na estrada
ponte de formiga
sem asa


45.
azaléia
no vaso na mureta de azulejo
a mãe alisava


46.
araçás
na beira do mangue -
cobertos de garças


47.
no escuro
só escuto
a cigarra gritar


48.
o dia tarde finda
na curta fenda da noite
é verão!










49.                                                                                                                                                                        
na neblina da manhã
o sol e a saída se escondem
menos o canto da ave ao longe...

50.
na casa velha
o som do canivete
raspando a ponta do lápis

5 comentários:

  1. neste mundo
    aflita a vida vai passando
    e logo se cansa...

    ResponderExcluir
  2. PALAVRA INCERTA

    vale a pena dizer
    não sei o que dizer
    e já sei dizer
    alguma coisa

    contudo o entrudo
    festejado no Carnaval
    tem um mascarado

    a ostra aberta
    mostra uma pérola

    uma palavra (in)certa

    Certa é a certeza de agradecer a beleza, te poder ler! Beijos

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Peguei aqui emprestadas, umas palavras tuas.

    Se você não autorizar, avisa que deleto.

    ResponderExcluir
  5. M* e todo mundo: Peguem quantas e quais quiserem, façam amor com elas, todas as minhas palavras vos amam! se as minhas palavras pegaram vc para um vôo voe então pra onde quiserem e assim é bom, não é? É sim! Eu é que agradeço a atenção e por vc me levar junto pra um mundão de beleza que é o seu. Beijos!

    ResponderExcluir

Investigo as vértebras da noite. Entre as fendas do tempo como escorpião espreito de soslaio a vida transitando pela casa. Pelas ruas. Corp...